Especialista em Detectores de Metais detalha riscos alergênicos para processamento de alimentos

 em Detector de Metal, Fortress, Suljett do Brasil

O atual aumento das ocorrências de alergias e intolerâncias alimentares é difícil de ignorar. Mudar estilos de vida, aumentar a proteção contra germes e certas tendências alimentares “saudáveis” ou “exóticas” podem estar contribuindo para o aumento das intolerâncias ou alergias.

Oito principais alérgenos alimentares leite, ovo, amendoim, nozes, trigo, soja, peixe e crustáceos – são responsáveis ​​pela maioria das reações graves de alergia alimentar nos Estados Unidos. Alergia ao gergelim é uma preocupação emergente.

Para fábricas de processamento de alimentos, ter uma estratégia robusta de contaminação e contato cruzado é primordial e os fabricantes de equipamentos estão respondendo para oferecer formas mais inteligentes e flexíveis para os processadores adaptarem seus procedimentos de limpeza e minimizar os desafios de higiene neste ponto crítico da linha, tanto para alérgenos e patógenos de origem alimentar. A Fortress Technology explora a lógica por trás deste problema crescente e como as fábricas podem lidar com estes riscos.

Alergias são a sexta principal causa de doenças crônicas nos Estados Unidos

Os dados confirmam que os desafios em torno das alergias na América do Norte são reais e estão em ascensão. O número de pessoas com alergias alimentares nos EUA é maior do que todas as populações de Nova York, Los Angeles e Chicago combinadas.

Aproximadamente 15 milhões de pessoas nos EUA têm alergias alimentares, com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças informando que entre 1997-1999 e 2009-2011, a prevalência de alergia alimentar entre crianças aumentou em 50%.

Embora reações alérgicas graves, potencialmente fatais, relacionadas à alimentação ainda sejam relativamente incomuns, estudos sugerem que mais de 200.000 pessoas fazem uma viagem ao pronto socorro como resultado de alergias alimentares. Isso é aproximadamente uma pessoa a cada 2,5 minutos e um aumento de 265% para internações entre 1997 e 2007, de acordo com o Centro de Controle de Doenças.

SUA MAQUINARIA DE FÁBRICA É SANITÁRIA?

Para a cadeia de fornecimento de alimentos e bebidas, a redução do risco de exposição do consumidor a alérgenos começa com o maior cuidado em obter todos os ingredientes, auditar fornecedores e assim por diante.

Mas os benefícios de gerenciar cuidadosamente o conteúdo de alérgenos podem ser anulados na fase de fabricação por contaminação cruzada. Os riscos aqui são especialmente agudos, uma vez que apenas pequenas quantidades de um alérgeno podem desencadear uma reação séria em um doente. Por esse motivo, os fabricantes maiores irão, quando possível, separar as áreas de produção que lidam com alérgenos conhecidos, como nozes e frutos do mar.

Para fabricantes menores, esta opção pode não estar disponível. Neste caso, a ênfase deve recair sobre a higiene e boas práticas de processo. De fato, quando os alérgenos potenciais estão presentes, ou podem estar presentes, em alguns conjuntos de ingredientes, mas não em outros, a limpeza deve ir além dos requisitos higiênicos normais. Mesmo quando o processamento de calor está envolvido, os alérgenos ainda podem sobreviver a altas temperaturas.

Os protocolos de limpeza de equipamentos devem ser formalizados e incluídos no treinamento da equipe. Todo processo de limpeza precisa ser verificado e documentado. Como parte de um processo de validação, testes regulares, incluindo cotonetes de Pontos Críticos de Controle, devem ser programados para garantir que essas áreas não apresentem alergênicos.

Resíduos de produtos, potencialmente incluindo alérgenos, podem ser especialmente problemáticos em sistemas de detecção de metais por gravidade para partículas e pós, como chocolate em pó. Pode ser o caso, por exemplo, de uma embalagem industrial ou do processamento de diferentes cereais, farinhas e misturas de panificação, onde evitar o teor de glúten em certos produtos pode ser extremamente importante.

Mas líquidos, semi-líquidos e lamas em sistemas de tubulações podem apresentar problemas próprios. Tomemos, por exemplo, a tendência de incluir produtos lácteos adicionados ou proteína de soja, ou teor de leite, em bebidas. As proteínas lácteas podem não ser um problema em que as bebidas são elas próprias baseadas no leite, mas a mesma linha de envase que manuseia águas e outros refrigerantes fortificados com fontes de proteína, como o whey protein, também pode utilizar produtos livres de laticínios.

A mesma questão pode ser a de uma linha enchendo sopas frescas em potes ou caixas, onde receitas, incluindo peixes e frutos do mar, alternam com outras que evitam esses ingredientes.

Identificando links de higiene mais fracos

Mudanças eficientes de produto são críticas para a produtividade. Para os gerentes de fábrica que enfrentam trocas regulares, é essencial que as linhas de processamento, enchimento e embalagem sejam projetadas para facilitar a limpeza rápida e profunda.

Quando se trata de especificar a detecção de metal no processo, isso significa que as superfícies de contato nos sistemas de transporte, tubulação e gravidade devem ser tão suaves e livres de fendas quanto possível. Isto é parcialmente para garantir que não restem vestígios de produtos, alérgenos ou bactérias, mas também para reduzir o risco de os agentes de limpeza não serem totalmente lavados.

A limpeza a alta pressão pode muito bem ser implantada para uma lavagem rápida e eficaz, e a carcaça do detector de metal deve ser suficientemente robusta para suportar isso. Ao selecionar um sistema, deve-se tomar cuidado para identificar equipamentos com uma classificação de proteção de entrada (IP) apropriada ao regime de lavagem aplicado.

Além desses critérios gerais para todo o sistema, atenção especial deve ser dada à unidade rejeitada. Idealmente, isso será destacável (facilmente destacável, mas de forma rápida e segura também) para permitir a limpeza completa.

Naturalmente, existem muitas outras fontes potenciais de contaminação cruzada em uma fábrica de alimentos e bebidas. Boas Práticas de Fabricação (BPF) fornece muitas orientações sobre a higiene e o comportamento do pessoal. Mas o papel potencial dos operadores na disseminação de alérgenos ao mover os ingredientes pelo chão em recipientes não selados, executando produtos alergênicos no início do turno ao invés do final, não mudando ou limpando equipamentos de proteção, por exemplo, precisa ser levado para casa onde o os riscos são especialmente altos.

Ao contrário das anomalias de rotulagem, que provavelmente aparecerão assim que o produto chegar ao revendedor, o conteúdo de alérgenos ou patógenos prejudiciais (assim como contaminação de metais não detectados) que não foram notificados, normalmente só aparecerá quando os itens estiverem na prateleira e nas mãos do consumidor. Nesse ponto, os custos de recall de produtos são muito mais altos, mas podem, em qualquer caso, ser minimizados pelos custos massivos, porém menos imediatos, de danos à reputação da marca do fabricante.

 

Novos desenvolvimentos de máquinas para reduzir a contaminação cruzada

Para atender diretamente à exigência de limpeza completa, verificável e eficiente em fábricas para combater o risco de contaminação, a Fortress recentemente revelou um novo Pipeline de bomba de carne compatível com a norma IP69K e USDA. Especialmente indicado para fabricantes de salsichas e embutidos, bem como fábricas de alimentos que usam pastas e molhos de carne em refeições prontas, o Detector de Metais de Pipeline de Bomba de Carne compacto é montado em uma estrutura móvel. Com ajuste de altura elétrico controlado via IHM, a unidade é rápida de manobrar e se conectar a outros aspiradores de produção, facilitando a limpeza, desmontagem e limpeza dos funcionários do saneamento para evitar o acúmulo de bactérias.

Sem estrutura de suporte intrusiva e sem caixas externas para acomodar a eletrônica, e como resultado de sua área de superfície reduzida e uso mínimo de fixadores, há menos locais onde os resíduos de carne, entrada de água e bactérias podem se acumular e potencialmente ficar embutidos nos tubos, cantos e recantos.

Além disso, a Fortress criou um detector de metal Gravidade com uma unidade de rejeição retrátil de liberação rápida que pode ser colocada em um carro para remoção e limpeza eficaz longe da linha. Projetados para inspecionar produtos em queda livre em forma granular, seca, os operadores de processamento de alimentos podem se desconectar rapidamente, ter acesso a peças, limpar e encaixar, ajudando a evitar alergênicos de alto risco, por exemplo, porca, lactose ou cereais contendo glúten, acumulando-se dentro e ao redor da unidade de gravidade.

A compra do melhor equipamento de detecção de metal para o trabalho pode constituir apenas uma parte de um quadro muito maior. No entanto, fornece evidências de que sua empresa está levando a sério a contaminação por ameaças de alérgenos e patógenos e fará uma contribuição real e valiosa para reduzir esses riscos.

 

Publicado por Marketing da Fortress Technology Brasil.

 

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

WhatsApp
Cotação Online
Informe seu nome e fone para ser redirecionado ao nosso atendimento via Whatsapp agora mesmo.
Obrigado! Abrindo Whatsapp...
Cotação Online
Informe seu nome e fone para ser redirecionado ao nosso atendimento via Whatsapp agora mesmo.




Ligamos para você
Deixe seus dados e nossa equipe entrará em contato o mais breve possível.



Celular